JS NewsPlus - шаблон joomla Продвижение
Portuguese English Italian Spanish

Ignácio de Loyola Brandão

 

(04-03-2010)

Por: Edson Paranhos
Escritor e jornalista nascido em Araraquara, Estado de São Paulo 31 de julho de 1936, participa pela segunda vez da Festa Literária de Pirenópolis. Em sua primeira participação foi o grande homenageado da I FLIPIRI realizada em 2009.

O principal destaque do participante foi o 1º lugar no Prêmio Jabuti de Literatura, com o livro O menino que vendia palavras, em 2008

Atuante e em plena atividade literária, escreve todas as sextas-feiras no Caderno 2 do jornal O Estado de S. Paulo

Cresceu em meio a livros na biblioteca da família e iniciou carreira jornalística, como crítico literário, em 1952. Em São Paulo, atuou no jornal Última Hora. Em 1965, entra no mercado editorial com a coletânea de contos Depois do sol e, em seguida, Bebel que a cidade comeu, que foi adaptado para o cinema.

Editou, em 1972, a revista Planeta, primeiro periódico esotérico do Brasil. No mesmo ano, com dificuldades para publicar o romance Zero no Brasil, lançou a obra na Itália, conseguindo publicar em território nacional em 1975, mas a obra foi recolhida pela censura.

A carreira é retomada como diretor de redação da revista Vogue, onde permaneceu até 2005. Em maio de 1996, em decorrência de um aneurisma cerebral, submeteu-se a uma cirurgia, posteriormente relatada no livro Veia Bailarina, publicado no ano seguinte. Em 2005, começou a escrever crônicas no jornal O Estado de S. Paulo.

Em 2008, com o romance O menino que vendia palavras (Editora Objetiva), vence o Prêmio Jabuti de melhor livro de ficção do ano.

Obras do autor:

Contos:

Depois do sol, Brasiliense, 1965
Pega ele, Silêncio, Símbolo, 1976
Cadeiras proibidas, Símbolo, 1976
Cabeças de segunda-feira, Codecri, 1983
O homem do furo na mão, Ática, 1987
O homem que odiava segunda-feira, Global, 1999

Romances:

Bebel que a cidade comeu, Brasiliense, 1968
Zero, Brasília/Rio, 1975
Dentes ao sol, Brasília/Rio, 1976
Não verás país nenhum, Codecri, 1981
O beijo não vem da boca, Global, 1985
O ganhador, Glogal, 1987
O anjo do adeus, Global, 1995

Infanto-juvenis:

Cães danados, Belo Horizonte Comunicações, 1977. Reescrito e publicado com o título "O menino que não teve medo do medo", Global, 1995.

O homem que espalhou o deserto, Ground, 1989

Viagens:

Cuba de Fidel: viagem à ilha proibida, Livraria Cultura, 1978
O verde violentou o muro, Global, 1984

Relatos autobiográficos:

Oh-ja-ja-ja (Diário de Berlim, inédito em português). Tradução de Henry Thorau. LCB, 1982

Veia bailarina, Global, 1997

Cartilha:

Manifesto verde, Círculo do Livro, 1985 e Ground, 1989

Crônicas:

A rua de nomes no ar, Círculo do Livro, 1988
Strip-tease de Gilda, Fundação Memorial da América Latina, 1995
Sonhando com o demônio, Mercado Aberto, 1998

Biografias:

Fleming, descobridor da penicilina, Ed. Três, 1973
Edison, o inventor da lâmpada, Ed. Três, 1973
Ignácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus, Ed. Três, 1974

Antologia:

Os melhores contos de Ignácio de Loyola Brandão, organização de Deonísio da Silva, Global, 1994

Traduções:

Para o alemão:

Null (Zero), Suhrkamp, 1979
Kein land wie dieses (Não verás país nenhum), Suhrkamp, 1984

Para o coreano:

(Zero), Seto, 1990

Para o espanhol:

Cero (Zero), Galba, 1976

El hombre que espandió el desierto (O homem que espalhou o deserto), Global - México, 2000

Para o húngaro:

(Zero), JAK, 1990

Para o inglês:

Zero, Avon Books, 1983
And still the earth (Não verás país nenhum), Avon Books, 1984
Teeth under the sun (Dentes ao sol), Dalkey Archive Press, 2007

Para o italiano:

Zero, Feltrinelli, 1974
Non vedrai paese alcuno (Não verás país nenhum), Mondadori, 1983
Vietat le sedie (Cadeiras proibidas), Marietti, 1983

Adaptações:

Para o teatro:

Não verás país nenhum. Direção de Júlio Maciel, Fortaleza, Teatro José de Alencar, 1987 (baseado no romance homônimo)

Para o cinema:

Bebel, a garota-propaganda. Direção de Maurice Capovilla, 1986 (baseado no romance Bebel que a cidade comeu)

Anuska, manequim e mulher. Direção de Francisco Ramalho, 1969 (baseado no conto Ascensão ao mundo de Annuska").

Fonte: releitura.com